• Serviços Online
  • Atendimento
  • Portal Geográfico
  • Imprensa
  • Banner Simuladores
  • Banner A minha rua
  • Banner Linha Voz da Alegria
  • Banner Balcão do empreendedor
  • Banner INDAQUA

Cucujães

A vila de Cucujães é a segunda maior freguesia do Município de Oliveira de Azeméis, em termos de população.

Importante centro cultural e histórico, Cucujães, do latim "cucullianis", ou seja, elevação de terreno, montão, recorda o mosteiro beneditino ali fundado pelo guerreiro da reconquista, D. Egas Odoriz, nos finais do século XI, e coutado por D. Afonso Henriques, em 7 de Julho de 1139, na véspera da batalha de Ourique.

A história de Cucujães é uma autêntica jóia para os investigadores do passado.

Região fértil e de condições privilegiadas, esta freguesia atraiu desde cedo povos das mais remotas culturas, conforme testemunham diversos vestígios das épocas pré e proto-históricas, tais como, mós, uma ponta de lança de pedra polida, machados de pedra e de bronze, uma ponta de flecha de cobre, entre outros. Supõe-se que entre os habitantes primitivos estariam também os Turdulos ou Turdetanos que habitaram a região onde se poderá incluir Cucujães.

Mais tarde vieram os romanos e com eles o topónimo actual, que provém do canto do cuco (em latim “Cuculus”); e depois, os suevos, os visigodos e os árabes.

Em 7 de Julho de 1139, o couto de Cucujães, instituído por D. Afonso Henriques, foi doado ao Mosteiro Beneditino da mesma terra, nas vésperas da famosa Batalha de Campo de Ourique, nas pessoas de D. Martinho e de D. Egas Odoriz.

O autor de "Portugal Antigo e Moderno", Pinho Leal, refere que Cucujães era antigamente da comarca de Esgueira, termo da Feira, tendo passado para a Feira quando se criou esta comarca, e finalmente para Oliveira de Azeméis. Refere ainda que “(...) esta freguesia é no vasto território denominado, desde o tempo dos godos, Terras de Santa Maria ou Terra da Feira. Tinha os grandes privilégios dos outros moradores deste território, sendo um dos principais, nos tempos antigos, terem os cavaleiros para todos os efeitos, for de “infanções”; e os peões, foro de cavaleiros.”

Cucujães foi elevada a vila em 11 de Junho de 1927, sendo actualmente um importante pólo industrial e comercial.

Como monumentos e lugares dignos de visita oferece-nos, entre outros, o claustro do Mosteiro, com as suas colunas dóricas, do século XVII e campas epigrafadas de alguns frades ilustres; a sacristia da Igreja Matriz; a Ponte da Pica (Imóvel de Interesse Público), construída no século XIV, sobre o rio Ul, por onde passava a via romana que ligava Lisboa a Braga; as Capelas de Santa Luzia, Nossa Senhora da Conceição, Santo António; as Casas Solarengas do Buraco, da Gandarinha, do Visconde de Carregoso, Andersen, do Mato; as Quintas do Picoto, da D. Beatriz Brás, do Sol, do Barreiro, da Família Macedo, do Seminário, do Abade Arede; os Palacetes Alves dos Reis e Pinto Leite; o Miradouro do Alto de Rebordões, de onde se avista o mar; a Vila Brandão, o Asilo da Gandarinha e a Misericórdia, estruturas que albergam instituições e obras sociais importantes.

A nível do artesanato, são famosas as sacas de tiras da Vila de Cucujães. Estas são confeccionadas com tiras de feltro entrelaçadas numa forma de madeira, com a ajuda de um pica-pontas. São colocadas talas, ou seja, ripas de madeira com asas de arame, e remata-se com um apara de feltro. A matéria-prima é obtida numa fábrica de chapéus.

As ferramentas mais utilizadas são o pica-pontas, martelo, pregos, tesoura, agulhas e raspador para cortas as tiras.

  • Centro Lúdico de Oliveira de Azeméis
  • Facebook
  • Azeméis Educa
  • Piscina Municipal de Oliveira de Azeméis
  • Casa Museu Ferreira de Castro
Valid XHTML 1.0 Transitional CSS válido! Level Triple-A conformance icon, W3C-WAI Web Content Accessibility Guidelines 1.0 Símbolo de Acessibilidade à Web
MUNICÍPIO DE OLIVEIRA DE AZEMÉIS, Largo da República - 3720-240 Oliveira de Azeméis | Telefone - 800.256.600 Fax - 256.674.694 - Email geral@cm-oaz.pt