• Atendimento
  • Portal Geográfico
  • Banner COVID19
  • Banner Medidas Emergência
  • Banner Estamos on
  • Banner Por um país com bom ar
  • Banner Andante
  • Banner Arquivo municipal digital
  • Banner Memórias OAZ
  • Banner IFRRU
  • Banner Portugal 2020
  • Banner A minha rua
  • Banner INDAQUA

Alminhas dos Franceses

Oliveira de Azeméis

Tomada a cidade do Porto em 29 de março de 1809, as tropas invasoras foram, progressivamente, estabelecendo postos avançados para sul até ao Vouga. E Oliveira de Azeméis não foi excepção. Quando o Tenente Coronel LAMETH, ajudante de campo e sobrinho de Soult, vinha com mensagens deste para o general Franceschi, que se encontrava em Oliveira de Azeméis, foi surpreendido, no lugar da Costa, cerca da Ponte de Cavaleiros, no antigo percurso da estrada principal. O tiro não falhou o alvo. Caiu do cavalo redondamente morto.


Soube-se depois que a emboscada foi planeada por naturais de Arrifana, comandadas por José Soares Barbosa Cunha, que assim quis vingar a morte do tio, um desembargador da Relação do Porto, assassinado por tropas de Soult.

Simplesmente esta pequena vitória culminou em desgraça para considerável número de inocentes. Como represália a quem ousou afrontá-los, no alvorecer do dia 17 de abril de 1809, a povoação de Arrifana viu-se cercada por elevado contingente de jacobinos sob o comando dos coronéis Zamiers e Olivete, com a incumbência de matar pessoas.

Saqueada e incendiada, na confusão, alguns arrifanenses conseguiram escapar mas, na maioria, o povo procurou refugiar-se na igreja matriz. Que de nada valeu, pois os franceses profanaram o templo e à força das baionetas, fizeram sair os populares “quintando-os” (na contagem de 1 a 5, o último era o infeliz escolhido). De seguida, arrastaram-nos para o campo da Bussiqueira, já na vizinha S. João da Madeira, onde selvaticamente foram fuzilados.

Escreveu-se que o número de mortos ultrapassou a centena. Parece que foram menos uns quantos. No monumento erigido em Arrifana em memória das Guerras Peninsulares, vê-se inscrito que foram em número de 71 as vítimas executadas.

Na freguesia de Santiago de Riba-Ul, como testemunho do acontecimento, foram erigidas as alminhas dos franceses, que ficaram a perpetuar o triste facto histórico, a poucos metros da Ponte de Cavaleiros.
Atualmente, devido à abertura da variante, estão ligeiramente mudadas do seu local original.

  • Facebook Instagram Twitter Iporto - Agendas IPORTO
  • Azeméis Educa Arquivo Municipal Biblioteca Municipal Ferreira de Castro Centro Lúdico de Oliveira de Azeméis Loja Ponto Ja
  • Piscina Municipal de Oliveira de Azeméis Parque de La Salette Parque Temático Molinológico Casa Museu Ferreira de Castro Academia de música
  • Centro de Línguas de Oliveira de Azeméis
Valid XHTML 1.0 Transitional CSS válido! Level Triple-A conformance icon, W3C-WAI Web Content Accessibility Guidelines 1.0 Símbolo de Acessibilidade à Web
CM Oaz - Todos os direitos reservados Largo da República, 3720-240 Oliveira de Azeméis [email protected]