• Atendimento
  • Portal Geográfico
  • Banner COVID19
  • Banner Emprego OAZ
  • Banner Medidas Emergência
  • Banner Estamos on
  • Banner Por um país com bom ar
  • Banner Andante
  • Banner Arquivo municipal digital
  • Banner Memórias OAZ
  • Banner IFRRU
  • Banner Portugal 2020
  • Banner A minha rua
  • Banner INDAQUA

Alminhas dos Franceses

Oliveira de Azeméis

Tomada a cidade do Porto em 29 de março de 1809, as tropas invasoras foram, progressivamente, estabelecendo postos avançados para sul até ao Vouga. E Oliveira de Azeméis não foi excepção. Quando o Tenente Coronel LAMETH, ajudante de campo e sobrinho de Soult, vinha com mensagens deste para o general Franceschi, que se encontrava em Oliveira de Azeméis, foi surpreendido, no lugar da Costa, cerca da Ponte de Cavaleiros, no antigo percurso da estrada principal. O tiro não falhou o alvo. Caiu do cavalo redondamente morto.


Soube-se depois que a emboscada foi planeada por naturais de Arrifana, comandadas por José Soares Barbosa Cunha, que assim quis vingar a morte do tio, um desembargador da Relação do Porto, assassinado por tropas de Soult.

Simplesmente esta pequena vitória culminou em desgraça para considerável número de inocentes. Como represália a quem ousou afrontá-los, no alvorecer do dia 17 de abril de 1809, a povoação de Arrifana viu-se cercada por elevado contingente de jacobinos sob o comando dos coronéis Zamiers e Olivete, com a incumbência de matar pessoas.

Saqueada e incendiada, na confusão, alguns arrifanenses conseguiram escapar mas, na maioria, o povo procurou refugiar-se na igreja matriz. Que de nada valeu, pois os franceses profanaram o templo e à força das baionetas, fizeram sair os populares “quintando-os” (na contagem de 1 a 5, o último era o infeliz escolhido). De seguida, arrastaram-nos para o campo da Bussiqueira, já na vizinha S. João da Madeira, onde selvaticamente foram fuzilados.

Escreveu-se que o número de mortos ultrapassou a centena. Parece que foram menos uns quantos. No monumento erigido em Arrifana em memória das Guerras Peninsulares, vê-se inscrito que foram em número de 71 as vítimas executadas.

Na freguesia de Santiago de Riba-Ul, como testemunho do acontecimento, foram erigidas as alminhas dos franceses, que ficaram a perpetuar o triste facto histórico, a poucos metros da Ponte de Cavaleiros.
Atualmente, devido à abertura da variante, estão ligeiramente mudadas do seu local original.

  • Facebook Instagram Twitter Iporto - Agendas IPORTO
  • Azeméis Educa Arquivo Municipal Biblioteca Municipal Ferreira de Castro Centro Lúdico de Oliveira de Azeméis Loja Ponto Ja
  • Piscina Municipal de Oliveira de Azeméis Parque de La Salette Parque Temático Molinológico Academia de música Centro de Línguas de Oliveira de Azeméis
Valid XHTML 1.0 Transitional CSS válido! Level Triple-A conformance icon, W3C-WAI Web Content Accessibility Guidelines 1.0 Símbolo de Acessibilidade à Web
CM Oaz - Todos os direitos reservados Largo da República, 3720-240 Oliveira de Azeméis [email protected]