• Atendimento
  • Portal Geográfico
  • Banner Projeto A NOSSA FREGUESIA...
  • Banner COVID19
  • Banner Emprego OAZ
  • Banner Medidas Emergência
  • Banner Estamos on
  • Banner Por um país com bom ar
  • Banner Andante
  • Banner Arquivo municipal digital
  • Banner Memórias OAZ
  • Banner IFRRU
  • Banner Portugal 2020
  • Banner A minha rua
  • Banner INDAQUA

Mestre vidreiro Alfredo Morgado tem o vidro a correr-lhe nas veias

Oliveira de Azeméis

Alfredo Morgado tem 63 anos e trabalha há 49 anos no vidro. Natural de Castelo de Paiva, uma região de muita pobreza há 60 anos atrás, veio com a família para Cidacos à procura de trabalho, e os três irmãos mais velhos foram trabalhar para o Centro Vidreiro do Norte de Portugal.

Logo em criança, tomou contacto com a arte do vidro, resultado das deslocações que fazia à fábrica para levar o almoço aos irmãos. Recorda que “naquele tempo o Centro Vidreiro era uma empresa gigante e todo aquele mundo me fascinava, as cores, as habilidades, as peças. E pensava, eu gostava muito de fazer isto… quando sair da escola é isto que eu quero fazer… tinha 8 anos. E assim foi!”

Assim que acabou o 6º ano, com ainda 13 anos, foi trabalhar para o Centro Vidreiro do Norte de Portugal e teve a sorte de ir para uma obragem manual, num trabalho “mão-livre”, que era aquele que mais o inspirava. Conheceu muitos oficiais do vidro, aprendeu com grandes artistas, e a sua curiosidade e paixão fazia com que tentasse aprender todas as técnicas, todos os segredos do fabrico, para tentar reproduzir cada peça com a mesma perfeição.

O encerramento do Centro Vidreiro constituiu para si um enorme sofrimento, mas não perdeu a esperança de poder continuar a trabalhar o vidro. “Estava disposto a correr atrás desta minha paixão para onde fosse, porque a minha pátria é universal, vivo em qualquer lado, desde que possa ter comigo os três pilares que regem a minha vida: Deus, a família e o trabalho” – declara o mestre Morgado com a convicção de que só vive enquanto puder trabalhar o vidro.

Depois de uma curta passagem por Estarreja e por Santa Maria da Feira, em abril de 2007, surgiu o convite para trabalhar no Berço Vidreiro, ajudando a reavivar parte da história do vidro em Oliveira de Azeméis. “Foi a minha maior alegria, nada surge por acaso e, se eu não fosse apaixonado por isto, não estava aqui hoje”.

Na oficina do Berço Vidreiro fabrica com criatividade e engenho, com mãos hábeis de mestre, um vasto conjunto de peças decorativas, que vende aos visitantes do Parque de La Salette, como jarras, fruteiras, flores, cisnes, cavalinhos, porta-guardanapos, troféus e “tantas outras coisas que não têm nome, fica à imaginação dos clientes”, refere o mestre Morgado.

Olha para a futura abertura do Centro Interpretativo do Vidro com muita esperança e expectativa, para que a arte do vidro não acabe e para que novas gerações possam aprender a trabalhar o vidro como antigamente. Considera que esta arte artesanal tem grande potencial, se estrategicamente se incrementar o seu valor, em lugares atrativos, de grande turismo, apostando no fabrico e venda «in loco», mas também nas potencialidades do comércio online, como forma de se chegar mais longe, a todo o mundo.

Deixa, assim, o desafio para se apostar na formação de jovens que vejam na arte do vidro não uma forma de enriquecer, mas um meio de expressão criativo de pensamentos e emoções, um espaço para expressarem os seus sonhos, projetos e histórias pessoais.

GALERIA DE IMAGENS
  • Facebook Instagram Twitter Iporto - Agendas IPORTO
  • Azeméis Educa Arquivo Municipal Biblioteca Municipal Ferreira de Castro Centro Lúdico de Oliveira de Azeméis Loja Ponto Ja
  • Piscina Municipal de Oliveira de Azeméis Parque de La Salette Parque Temático Molinológico Academia de música Centro de Línguas de Oliveira de Azeméis
Valid XHTML 1.0 Transitional CSS válido! Level Triple-A conformance icon, W3C-WAI Web Content Accessibility Guidelines 1.0 Símbolo de Acessibilidade à Web
CM Oaz - Todos os direitos reservados Largo da República, 3720-240 Oliveira de Azeméis [email protected]