• Atendimento
  • Portal Geográfico
  • Banner Projeto A NOSSA FREGUESIA...
  • Banner COVID19
  • Banner Emprego OAZ
  • Banner Medidas Emergência
  • Banner Estamos on
  • Banner Por um país com bom ar
  • Banner Andante
  • Banner Arquivo municipal digital
  • Banner Memórias OAZ
  • Banner IFRRU
  • Banner Portugal 2020
  • Banner A minha rua
  • Banner INDAQUA

Desparasitação de cães

A desparasitação dos cães (administração de medicamento para destruir parasitas intestinais ou outros) é uma prática fundamental, justificada por duas ordens de razões:

Primeira, porque os parasitas prejudicam a saúde do animal, e, realizar uma eficiente desparasitação contribui para a boa saúde do nosso amigo e companheiro de 4 patas.
Segunda (e mais importante), porque os cães são portadores de parasitas, que em determinadas condições, transmitem ao homem e aos outros animais, causando por vezes, doenças graves ou muito graves.
 

Uma dessas doenças é o QUISTO HIDÁTICO.

Doença grave, sobretudo no pulmão e fígado (mas também noutros órgãos), transmitida pelo cão.

O agente causal é uma ténia, do género Echinococcus, que o cão transporta no intestino delgado, onde produz ovos, que vêm para o exterior com as fezes e, sendo dispersos, são os elementos infestantes que atingem o homem e os animais (ver ao fundo, esquematicamente, a forma de transmissão da ténia Echinoccocus).

Uma pessoa que tenha contraído quisto hidático não se livra de tratamentos prolongados ou cirurgias complicadas, se não lhe suceder pior.

Nos animais domésticos, o quisto hidático manifesta-se como doença igual à que ocorre nas pessoas, mas por razões económicas, não é tratável e é sempre causadora de grandes quebras de rendimento nos efectivos pecuários.

Esta doença é também chamada HIDATIDOSE.

O ciclo evolutivo da ténia causadora do quisto hidático/ hidatidose tem duas fases:

- Uma no interior do intestino do cão, com o fim de produzir ovos a serem dispersos no ambiente.
- Outra (a fase enquanto ténia jovem), nos quistos dos animais domésticos e pessoas que contraíram a doença.
 

Os quistos de pulmões e fígado de animais são a fonte de contágio para os cães. E assim o ciclo continua.

O que fazer? Há que interromper/cortar o ciclo evolutivo do parasita.

Para isso, a desparasitação sistemática dos cães com o medicamento apropriado, com a dose e frequência de administração indicadas, é o caminho a seguir. Sobre este assunto fale com o seu veterinário. Mas sempre, como medidas complementares muito importantes e fundamentais, não se esqueça:

- Não dar a comer aos cães vísceras cruas (pulmão e fígado dos animais que abate para auto-consumo).
- A jaula do seu cão deve ser higiénica, fácil de lavar, encaminhando os dejectos para a fossa, nunca para o meio envolvente.
- Evitar os cães vadios.
- Nunca abandone o seu cão.
- Quando vier à rua com o seu cão, não permita que ele se alivie fazendo nos passeios e relva do jardim. Venha munido(a) dos apetrechos adequados, apanhe e deposite no contentor do lixo.
- E, finalmente, a regra de ouro que só por si produz mais efeito que tudo o resto: lavar sempre as mãos antes de comer, e muito especialmente , depois de mexer no seu cão.
 
(veja, esquematicamente, o Ciclo Evolutivo da Ténia Echinococcus)
  • Facebook Instagram Twitter Iporto - Agendas IPORTO
  • Azeméis Educa Arquivo Municipal Biblioteca Municipal Ferreira de Castro Centro Lúdico de Oliveira de Azeméis Loja Ponto Ja
  • Piscina Municipal de Oliveira de Azeméis Parque de La Salette Parque Temático Molinológico Academia de música Centro de Línguas de Oliveira de Azeméis
Valid XHTML 1.0 Transitional CSS válido! Level Triple-A conformance icon, W3C-WAI Web Content Accessibility Guidelines 1.0 Símbolo de Acessibilidade à Web
CM Oaz - Todos os direitos reservados Largo da República, 3720-240 Oliveira de Azeméis [email protected]