• Atendimento
  • Portal Geográfico
  • Banner Projeto A NOSSA FREGUESIA...
  • Banner COVID19
  • Banner Emprego OAZ
  • Banner Medidas Emergência
  • Banner Estamos on
  • Banner Por um país com bom ar
  • Banner Andante
  • Banner Arquivo municipal digital
  • Banner Memórias OAZ
  • Banner IFRRU
  • Banner Portugal 2020
  • Banner A minha rua
  • Banner INDAQUA

A visão de Macinhata da Seixa, pelo professor António Magalhães

Oliveira de Azeméis

Historicamente, Macinhata da Seixa, apesar de pequena, assume um relevante interesse geográfico, dada a existência de uma estrada real que a atravessava, e um foco no cultivo derivado da atividade agrícola desenvolvida localmente.

Atualmente, “Macinhata da Seixa é uma arrabalde de Oliveira de Azeméis e um fornecedor de mão-de-obra para as indústrias”, refere o Professor António Magalhães e acrescenta com orgulho: “Muitas pessoas vêm para aqui viver porque é uma terra bonita, tem paisagens maravilhosas e fica a cerca de 3 Kms da cidade”. Muitos macinhatenses escolheram a freguesia dada a sua proximidade com o centro urbano, pelas vistas aprazíveis e pela tranquilidade que se faz sentir.

Ao nível do património, o Professor António Magalhães destaca a Igreja de Santo André, a Quinta do Alméu do Séc. XVII, “que infelizmente está abandonada”, a Ponte e as Alminhas do Senhor da Ponte, como sendo uma grande riqueza para Macinhata da Seixa. Como historiador, relembra também o saudoso Padre Manuel Bastos, um investigador e amante da história, que chegou a Macinhata da Seixa em 1961. “Era um jovem”, recorda o Professor António Magalhães: “Era um homem inteligentíssimo, nasceu para ser padre, era desprendido de dinheiro”. Um padre virado para os jovens, reformou o Centro Social, fez teatro no Grupo Musical Macinhatense e tocava vários instrumentos. O Padre Bastos, como carinhosamente era tratado, transformou culturalmente Macinhata da Seixa, marcando uma época.

Do património à cultura, também a agricultura enriqueceu Macinhata da Seixa, aldeia das cerejeiras. Em tempos, antes da instalação das indústrias no concelho, a população local vivia unicamente da “lavoura” e mais concretamente da venda da cereja. No entanto, esta riqueza “perdeu-se a partir do abandono da agricultura, tanto pela busca de outras fontes de rendimento, por parte dos filhos dos agricultores, como pela dificuldade da apanha da cereja”, refere o Professor.

Associados à terra das cerejas estão os espantalhos e o “Macinhata Espanta”. Segundo o historiador, a imagem dos espantalhos atual difere daquela que originalmente foi criada pelos lavradores. “Os lavradores punham nas colheitas e nas cerejeiras uns molhos de palha dentro de calças velhas e trapos velhos para afugentar os pássaros”, conta o professor. Explica ainda que: “a ciência hoje diz que no final de 24h os pássaros já tinham descoberto que aquilo era a brincar”. No entanto, fica na história de Macinhata da Seixa a figura do espantalho a guardar a cerejeira, recriada pela iniciativa que popularizou o lugar.

GALERIA DE IMAGENS
  • Facebook Instagram Twitter Iporto - Agendas IPORTO
  • Azeméis Educa Arquivo Municipal Biblioteca Municipal Ferreira de Castro Centro Lúdico de Oliveira de Azeméis Loja Ponto Ja
  • Piscina Municipal de Oliveira de Azeméis Parque de La Salette Parque Temático Molinológico Academia de música Centro de Línguas de Oliveira de Azeméis
Valid XHTML 1.0 Transitional CSS válido! Level Triple-A conformance icon, W3C-WAI Web Content Accessibility Guidelines 1.0 Símbolo de Acessibilidade à Web
CM Oaz - Todos os direitos reservados Largo da República, 3720-240 Oliveira de Azeméis [email protected]